Curiosidades sobre o mundo do Basquete




          - Nos primórdios do basquete profissional, os jogadores não eram tão altos quanto hoje. Eles ficavam, na média, entre 1,75m e 1,80m. Atualmente, a maioria dos jogadores mede entre 1,95m e 2,05m.

          - Já o primeiro jogo oficial de basquete foi disputado em 11 de março de 1892. O jogo foi realizado no Springfield College, sendo que o time formado pelos alunos venceu o dos professores pelo placar de 5 a 1.

          - A primeira bola de basquete foi fabricada pela empresa norte- americana A. C. Spalding & Brothers no ano de 1891.

          - As primeiras cestas de basquete sem fundo foram criadas em 1892 por Lew Allen, do estado norte-americano de Connecticut. As tabelas foram usadas oficialmente somente em 1895.

          - O Brasil foi o primeiro país da América Latina a praticar o basquete, em 1896. A modalidade havia sido criada cinco anos antes pelo professor canadense James Naismith, que dava aulas no colégio da ACM (Associação Cristã de Moços), em Springfield, Massachussets (EUA).

          - O Maior cestinha do basquete brasileiro, o ala Oscar Schmidt disputou 326 partidas pela seleção brasileira e marcou 7.693 pontos, média de 23,5 por partida.

          - O placar mais alto em uma partida de basquete aconteceu em um jogo internacional de veteranos nos Jogos Asiáticos-1982, quando o Iraque venceu o Iêmen por 251 a 33, em Nova Déli, na Índia.

          - Os EUA obtiveram 11 medalhas de ouro em 13 torneios de basquete masculino disputados em olimpíadas. Nas duas vezes em que não ganharam, foram prata (em Munique-1972) e bronze (Seul-88). Ao todo, foram 100 vitórias e apenas três derrotas.

          - O basquete é um dos esportes mais praticados no mundo, com cerca de 300 milhões de adeptos. Atualmente, mais de 170 países estão filiados à Federação Internacional de Basquete Amador (FIBA), entidade máxima da modalidade.

          - Os países mais tradicionais na modalidade são Rússia (ex-União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e os Estados Unidos. No feminino, a hegemonia das duas nações em Campeonatos Mundiais chega a impressionar, tendo sido quebrada apenas pelo Brasil, em 1994, e Austrália, em 2006. São seis títulos para as norte-americanas e sete para as soviéticas. Já no masculino, os dois países ganham mais um concorrente: a ex-Iugoslávia, maior vencedora do Campeonato Mundial com cinco títulos, contra três da ex-União Soviética e dos Estados Unidos.

          - O armador brasileiro Leandrinho, do Phoenix Suns, foi eleito o melhor reserva da temporada 2006-2007 da NBA.

          - Até o começo da década de 1990, os Estados Unidos disputavam as competições internacionais com suas equipes amadoras, compostas por atletas universitários. A estréia do time profissional aconteceu em 92, quando os norte-americanos conquistaram a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Barcelona, na Espanha. A equipe, na ocasião, tornou-se mundialmente conhecida como “Dream Team” (Time dos Sonhos, em inglês), pois reunia estrelas como Larry Bird, Magic Johnson, Michael Jordan e Scottie Pippen, entre outros. Essa seleção é até hoje considerada a melhor da história da modalidade.

          - Em jogos olímpicos, o predomínio é dos Estados Unidos. Sao 12 medalhas de ouro, contra duas da ex-União Soviética e apenas uma da antiga Iugoslávia.

          - Oscar Schmidt, o maior nome da história do esporte no Brasil, afirma ter marcado 49.737 pontos em 1.615 jogos, alcançando uma média de 30,7 por partida (o que lhe garantiria a marca de maior pontuador da história do basquete mundial). No entanto, a informação é contestada pela Federação Internacional de Basquete (FIBA), que não considera os pontos de algumas competições disputadas pelo “Mão Santa”.

          - A liga de basquete mais famosa e disputada do mundo é a norte-americana (National Basketball Association/NBA). Sua importância para o universo do basquete é tão grande que ela adota regras próprias para suas partidas. Lá, por exemplo, a fim de deixar o jogo mais “solto”, não é permitida a marcação por zona, ao contrário do que acontece em competições internacionais. Tais diferenças, porém, atrapalham a seleção dos Estados Unidos em competições disputadas fora do país. No Pré-Olímpico de San Juan – para os Jogos de 2004 -, em Porto Rico, os norte-americanos chegaram até a participar de um seminário com o juiz brasileiro Sérgio Pacheco sobre as regras da FIBA.

          - Os países mais tradicionais na modalidade são Rússia (ex-União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e os Estados Unidos. No feminino, a hegemonia das duas nações em Campeonatos Mundiais chega a impressionar, tendo sido quebrada apenas pelo Brasil, em 1994, e Austrália, em 2006. São seis títulos para as norte-americanas e sete para as soviéticas. Já no masculino, os dois países ganham mais um concorrente: a ex-Iugoslávia, maior vencedora do Campeonato Mundial com cinco títulos, contra três da ex-União Soviética e dos Estados Unidos.

          - Em Jogos Olímpicos, o predomínio é dos Estados Unidos. São 12 medalhas de ouro, contra duas da ex-União Soviética e apenas uma da antiga Iugoslávia. Entre as mulheres, as norte-americanas também levam vantagem com cinco conquistas, contra duas da ex-União Soviética.

          - Atualmente, os países de mais tradição no basquete observam o crescimento de outras forças da modalidade. No feminino, a Austrália de Lauren Jackson sagrou-se campeã mundial em 2006. Já entre os homens, a Argentina e a Espanha se destacam. Os sul-americanos, comandados por Manu Ginobili, venceram os últimos Jogos Olímpicos, enquanto os europeus, liderados por Pau Gasol e Jorge Garbajosa, conquistaram o Mundial de 2006.

          - Oscar Schmidt, o maior nome da história do esporte no Brasil, afirma ter marcado 49.737 pontos em 1.615 jogos, alcançando uma média de 30,7 por partida (o que lhe garantiria a marca de maior pontuador da história do basquete mundial). No entanto, a informação é contestada pela Federação Internacional de Basquete (FIBA), que não considera os pontos de algumas competições disputadas pelo “Mão Santa”.

          - O norte-americano Kareem Abdul-Jabaar é o maior pontuador da história da liga norte-americana de basquete (NBA), a mais importante do mundo. São 38.387 pontos em 1.560 partidas, com média de 25,6 por jogo.

          - O recorde de pontos em uma só partida da NBA pertence a Wilt Chamberlain, que atuou de 1959 a 1974 na liga norte-americana e chegou a marcar 100 pontos em um único jogo.

          - Até o começo da década de 1990, os Estados Unidos disputavam as competições internacionais com suas equipes amadoras, compostas por atletas universitários. A estréia do time profissional aconteceu em 92, quando os norte-americanos conquistaram a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Barcelona, na Espanha. A equipe, na ocasião, tornou-se mundialmente conhecida como “Dream Team” (Time dos Sonhos, em inglês), pois reunia estrelas como Larry Bird, Magic Johnson, Michael Jordan e Scottie Pippen, entre outros. Essa seleção é até hoje considerada a melhor da história da modalidade.

          - O armador brasileiro Leandrinho, do Phoenix Suns, foi eleito o melhor reserva da temporada 2006-2007 da NBA.


          Musica, Rachão, Interação e Informação.